segunda-feira, 19 de novembro de 2012

MAIS UMA ENTREVISTA EXCLUSIVA: PETER HINCE!!!

PETER HINCE, EX-ROADIE DE FREDDIE MERCURY E JOHN DEACON, AUTOR DE UM LIVRO, CEDEU PARA ESTA LADY UMA ENTREVISTA EXCLUSIVA QUE AGORA COMPARTILHAMOS COM TODOS OS FÃS:

EM PORTUGUÊS:


Nome completo: Peter Ratty Hince

suas coisas favoritas:

comida italiana e japonesa
colorir todas as cores
hobbie arte, viagens, coletando-Art Deco e vidro retro. Mergulho.
esporte de Futebol - o jogo bonito!
Assim, muitos artista .......

coloque Londres, Inglaterra.

Data de Nascimento: 23 de janeiro de 1955

2) Qual foi seu trabalho com a rainha? Roadie Freddie e John e chefe da Equipe Queen.

3) Quando você começou a trabalhar para a banda? Eu os conheci em 1973 quando eles foram o apoio para Mott The Hoople. Eu estava, então, ofereceu um emprego ou menos um ano mais tarde, mas não tomá-lo. Então no verão de 1975, durante a gravação de Night at The Opera me ofereceram um trabalho com os dois outros Mott The Hoople roadies. Desta vez eu peguei.

4) Quando você deixou a organização Queen? Saí em 1985 depois da turnê obras acabadas. Mas voltei em 1986 como freelance para fazer a turnê Magic.

5) Será que você tem todos os trabalhos específicos que eram de sua responsabilidade sozinho? . Assim, muitos ...... eles são descritos no livro.

6) Você trabalhou no estúdio, bem como em turnê? Sim - todos os álbuns do Queen. De Noite na Ópera até Kind of Magic.

7) Qual foi sua primeira impressão de Freddie? E outros membros da banda? É tudo no meu livro.

8) Depois de ter parado de trabalhar com a banda Queen, que estavam em algum outro show, show, surgimento de Brian e Roger? Onde e quando? Eu vi alguns shows de Brian solo e também Queen e Paul Rodgers duas vezes.

9) Você tem alguma opinião sobre Queen + Paul Rodgers e Queen + Adam Lambert Brian e Roger são músicos e quer jogar? - E gosta de jogar ao vivo. Eu acho que o Queen e Paul Rodgers passeios deu uma oportunidade para os muitos fãs que nunca viram a rainha para ver metade da Rainha tocar suas músicas. E se ele fez as pessoas felizes, então, que é grande. Mas sem Freddie e John não é rainha e nunca pode ser.

10) eu percebi Que, claro, tantos anos de trabalho com uma pessoa, você aprende não só para viver, mas para você entender essa pessoa. São Roddie John também. Conte-nos um pouco mais de John como uma pessoa e artist.John era um cara tranquilo e de fácil convívio, e nos tornamos próximos. Ele era muito dedicado à sua família e também, naturalmente, para a rainha. Ele é muito subestimado pela sua contribuição para a rainha. E como músico. Um dos melhores baixistas que eu já ouvi e ele é muito respeitado por outros músicos. Ele também era um guitarrista fantástico Rythmn - o melhor da Rainha. Ele era sensível e teve um relacionamento muito bom trabalhar com Freddie, que trouxe o melhor da escrita de João canção. Ele escolheu para se aposentar, e porque sem Freddie não há Queen. As pessoas devem respeitar a sua decisão, refletir e apreciar em toda a música fantástica que ele criou para as pessoas desfrutarem.

11) Aquele que lê seu livro será "chocado" com algumas configurações e suas contas .. Você tem medo de qualquer crítica ou ofensa para os fãs de qualquer Freddie? Não - não em todos. O livro é sobre Rock and Roll e que estilo de vida da época. Não é um livro sobre ser um contabilista ou um professor! Se algumas pessoas não gostam disso - que é sua escolha, é simplesmente como as coisas estavam - bom ou ruim. Eu não tenho preocupações, especialmente porque eu não escrevo sobre a vida pessoal da rainha ou doença de Freddie. Algumas pessoas têm feito isso e para mim é inaceitável. Disgusting. A maioria dessas pessoas (jornalistas, etc) nem sabia que a rainha -, mas afirmam que eles fizeram ....... Tudo sobre dinheiro, não a verdade ou uma história interessante bom.

12) Você pensa em escrever outro livro que fala sobre a banda ou sua relação com ela? Não. Por que? Eu já escrevi a minha história. Talvez edições futuras podem ser atualizados conforme eu continuo lembrando mais histórias e eventos. Mas eu nunca iria escrever qualquer coisa "sensacional" para mostrar desrespeito à Rainha ou as suas famílias. Ao contrário de outras pessoas têm ....

13) O que você está fazendo agora? Eu ainda faço alguma fotografia, mas eu escrevo um monte e agora ter feito há muitos anos - trabalhando em diferentes romances, roteiros, esquetes cômicos e projetos para TV e cinema.

14) Quando você começou a fotografia? Quando eu tinha cerca de 19 - como um hobby.

15) Você ainda está em contato com a rainha? Ou John .... Às vezes. Muitas vezes não.

16) Todas as memórias especiais ou histórias que você gostaria de compartilhar conosco? . Há tantos. E muitos estão no livro. Mas São Paulo em 1981 e Rock in Rio foram as maiores não só do Queen audiências ao vivo, mas experiências fantásticas para todos. Energia incrível e mágicos, momentos emocionantes.

17) Qual era o seu favorito: Perguntas difíceis, como existem tantos para escolher .......

tour? Provavelmente as primeiras turnês e da turnê mundial do jogo.

Vídeos da rainha? Somebody To Love. Hammer To Fall. E Bohemian Rhapsody é claro - Eu estava lá no dia em que foi feita.

Música da rainha? Mais álbuns iniciais eo material rochoso mais difícil. Além disso, algumas canções eram melhores ao vivo que em disco.
Uma seleção: Keep Yourself Alive, Liar, Agora estou aqui, Spread Your Wings, Hammer To Fall, Little Thing Crazy, Ataque do Dragão. E eu pensei Under Pressure com David Bowie, foi uma das melhores canções da rainha fez.



Álbuns? Todos tiveram coisas que eu gostei e não gostei.

18) Quais são seus projetos futuros? Em termos de exposições Rainha - talvez mais de minhas fotos e talvez um livro de fotos incorporando elementos da Rainha invisível para completar as histórias - memorabilia etc

19) Agora querido Ratty, diga-nos alguma história por trás das cenas que você experimentou e que não está em seu livro: no futuro.... eu conto.

20) Deixe uma mensagem para os milhares de fãs do Queen e Freddie: Continue a desfrutar da música e performances do que era uma banda verdadeiramente grande - que a energia vai viver para sempre. Keep Yourself Alive!

Desfazer edições
AGORA O VIDEO COM A ENTREVISTA INTEIRA EM INGLÊS:

http://www.youtube.com/watch?v=0-v9RTNwCGo&feature=youtube_gdata

ENJOY IT!!!
 

Algumas dicas...

Olá fãs de Queen.. Em breve mais materiais exclusivos que só esta lady consegue, hauhauhauhau enquanto isso... que tal novos grupos que estão bombando no facebook:

o GRUPO QUEENBRAZIL, CLARO:

http://www.facebook.com/#!/groups/357132831043433/

E O FREDDIE FOR A DAY BRAZIL - OFICIAL, CLARO:

http://www.facebook.com/#!/groups/251370288318239/

domingo, 7 de outubro de 2012

Mais dois vídeos imperdiveis

A) O primeiro é um video com frases e idéias de Freddie Mercury:

http://www.youtube.com/watch?v=swy8LuFkeQw&feature=youtu.be

B) Este é um video EXCLUSIVO com entrevista única com o músico Jeff S. Soto, onde ele fala de sua carreira solo, seu futuro, sua participação no Queen Extravaganza e até sobre o futuro da banda Queen:



sábado, 6 de outubro de 2012

FFAD2012painel

video com fãs usando bigode.. pelo mundo!

Abertura do FFAD 2012- Brasil

Novos materiais e videos imperdíveis..

Fazer um evento ligado ao Queen e em especial ao Freddie é algo de muita responsabilidade... quanto mis esse evento fica oficial, maior é esta responsabilidade.. Ter sido escolhida novamente pra representar o Freddie for a day brazil, nos enche de orgulho sim, mas de muita responsabilidade, pois tudo é acompanhado de perto por pessoas ligadas ao Queen.. aqueles que boicotam até a informação do evento, não sabem ( porque são idiotas, claro) que isso os queima diretametne coma  familia Beach.. pois Matilda, filha de Jim é a coordenadora e responsável pelo FFAD.. Assim, dears.. esta é a explicação porque quem diz que é, nunca foi ou será... e porque esta simples e louca fã... é conhecida lá fora " como a fã do brasil"!.. Arrogância.. pode ser, mas sincera e merecedora de quem leva bem a sério e com verdade o que faz.. Um dos videos, o de abertura tem mensagens de muitas pessoas ligadas ao Queen, incluindo a familia Beach... entre outros.. e Isso, realmente é pra poucos..

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Memorial Day - Montreux


O Memorial Day 2012 ocorreu entre os dias 31/08 à 02/09.. na cidade de Montreux- Suiça..

 Uma amiga especial, ( Joana Caetano) e seu filho, representantes do Fan club português de Freddie Mercury, que compartilhou conosco todas as devidas emoções deste evento.

Abertura:


 

Conferência, ou palestra de Peter Freestone, ex-secretário de Freddie Mercury aos muitos fãs de Queen e em especial de Freddie:




 

Um momento mais que especial.. A essência do Memorial day:


 

Neste ano, como em todos os outros, tiveram os passio s de barco, passando por lugares mais que especiais, como a casa do lago, o apto. de Freddie Mercury entre muitas outras coisas..

 

Este ano, os fãs pagantes, puderam desfrutar do Hotel Montreux Palace, tomando chá, comendo bolo de cereja ( o favorito de Freddie) e aidan ouvindo histórias únicas contadas por Peter..

 

Aqui , ... um momento do encerramento deste evento maravilhoso.. Quem não foi ainda para Montreux e é fã de Freddie.. tem que colocar este objetivo em sua vida.

 


 

 

FREDDIE FOR A DAY BRAZIL 2012 - UM SUCESSO RECONHECIDO E APLAUDIDO!!!


FFAD – Brazil

2012

 

O evento ocorreu na capital de São Paulo. Justamente a 1ª cidade brasileira onde o Queen tocou em  Março de1981.

 O local escolhido foi o Blackmore Rock Bar, parceiro do site QueenBrazil e de Lady Taylor ( idealizadora e organizadora do projeto) desde 2006.

 Na época o evento chamava-se Freddie’s Party que tinha o objetivo de relembrar e homenagear Freddie Mercury na data de seu nascimento ou próxima dela.

Outro evento para homenagear e relembrar Freddie Mercury, o Memorial Night, também ocorria nesta mesma casa.

 Havia também o Queen’s Party que ocorria no final do mês de julho para parabenizar e homenagear os membros da banda Queen: Brian May, Roger Taylor e John Deacon.

Os mesmos foram aglutinados neste evento maior o Freddie for a day Brazil,

( evento mundial e oficial), que além de relembrar e homenagear a banda Queen e Freddie Mercury, tem um apelo e função social: O de angariar fundos para as instituições que lutam no combate á AIDS.

 Assim, parte do que foi pago na entrada da casa, do que foi vendido entre bigodes,  teve um destino beneficente.

O FFAD Brazil ocorreu no dia 14/09/12 na cidade de São Paulo.

A abertura deu-se exatamente  às 23:50, quando Lady Taylor subiu ao palco juntamente com Wanderley que representa a casa Blackmore, e membros das bandas que tocariam no evento: Marcelo Facundo pela banda Magic Rockn’, Reinaldo Kramer, artista convidado  , membro da banda Queen Tribute Brazil, Banshee pela banda Robotnik e Allan, representando a banda Classical Queen.

 Cada uma destas pessoas recebeu o certificado oficial de participação do evento e foi mostrado no telão o vídeo de abertura com agradecimentos e mensagens enviadas por pessoas ligadas ao Queen.

 

http://www.youtube.com/watch?v=bgwIuH2VLEQ

 

Esta edição do Freddie For a Day Brazil 2012, teve como estrelas as bandas abaixo e falaremos um pouco de cada uma delas...

 

 A)Magic Rockin'

Seu objetivo é prestar homenagem a banda inglesa QUEEN, tocando suas canções com foco na musicalidade, sem preocupação com os aspectos visuais, e com ênfase na execução dos “lados B” ( músicas não consideradas hits mas que muito emocionam os fãs ).

Após quase dois anos de muitos ensaios, algumas apresentações e mudanças na formação, a banda consolidou-se com uma vocal feminina, o que dá um charme mais que especial ás suas apresentações.. Esta banda se entitula tributo, sem preocupação e figurinos ou imagens que lembre a banda Queen, mas prendem-se a originalidade e a questão de fazer releituras das músicas da banda;


B)"CLASSICAL QUEEN"


O Classical Queen nasceu em setembro de 2004,e logo no final do ano fazia sua estréia nos palcos.

A banda se aprimora a cada show, com cuidadosa produção de figurino, performance de palco, instrumentos e equipamentos, recriando minuciosamente um show ao vivo do QUEEN.

A banda a cada a show fica mais próxima das apresentaçãoes oficiais, pois dedicam-se a detalhes cênicos e musicais do Queen.. Músicas de sucesso da banda , foram tocados juntamente com outros os quais fãs de Queen adoram , como Sevem seas of Rilley, Spread your Wings.


C)ROBOTINIK

A BANDA ROBOTNIK apresenta os grandes sucessos do Classic Rock, realizando um apanhado que engloba desde  oss 70 até os 2000. Especialmente para o evento "Freddie for a Day 2012" A BANDA ROBOTNIK apresentará um Set list especial somente com músicas da carreira solo de FREDDIE MERCURY.

Foi maravilhoso poder curtir músicas da carreira solo de Freddie Mercury como Made in Heaven, Mr. Bad Guy,

 

 O evento  organizado por Lady Taylor, ou Alba Cássia, uma fã reconhecida de Queen, que viajou por Londres, Felthan, Montreux e tantos outros locais e shows, com o objetivo de divulgar e compartilhar com fãs do mundo inteiro momentos especiais ligados á banda Queen,convidou os fãs a enviarem mensagens, fotos, poemas, videos e outros que expressassem sua admiração, amor e respeito ao Freddie:

Foram enviados muitos vídeos, os quais após editados, resultaram:

 





 

Os fãs enviaram mensagens , poemas e frases para Freddie, o que resultou em um vídeo muito emocionante.. Um painel:

 


 

Este ano, foram vendidos cerca de 100 bigodes, o que deixou a festa do dia 14/09, uma festa do bigode.

 

http://www.youtube.com/watch?v=E9zY7WIWFi8

 

O evento ainda teve mensagens e videos que conscientizaram as pessoas da importância da prevenção contra a AIDS e a importância deste evento em âmbito mundial.

 


 

 O sucesso do evento foi tão grande, que não somente lotou a casa Blackmore, mas por pedidos de fãs, Lady Taylor e Wanderley ( dono da casa Blackmore), cedendo aos desejos dos mesmos, criaram um outro evento para este ano ainda; O Memorial Night for Freddie.. que ocorrerá dia 24/11/12, no mesmo local.

 Este próximo evento terá a banda Killer Queen e convidados, vendas de artigos , concursos..e outros.

No evento do dia 14/ 09, Ana Paula, foi a vencedora do concurso melhor vestimenta de Freddie, ganhando além de uma prêmio surpresa, ingressos para o Memorial Night for Freddie.

O Show acabou ( o que foi uma pena..), mas a troca de energia em pleno espírito de paz, harmonia e celebração foram a marca desta noite inesquecível.

 Termino este relato na certeza de que nossos objetivos foram atingidos. Conseguimos angariar fundos, conseguimos unir fãs e homenagear nosso ídolo maior: Freddie Mercury...

 Esperamos que um dia não seja mais necessário realizar o Freddie For  a day pelo mundo, pois isso significará que a AIDS foi vencida.. Quando esse dia chegar, voltaremos a realizar o Freddie's Party, apenas para homenagear, relembrar e eternizar Freddie Mercury.. é para isso que trabalhamos em parceria com o Mercury Phoenix Trust e oramos todos os dias.

Temos certeza que Freddie recebeu todas as energias maravilhosas enviadas á ele.... e sua alma está brilhando ainda mais!!!!

E como disse meu amigo Jim Jenkens.... Freddie conseguiu ser a lenda que ele desejava!!

 

Queen forever!!!!

Freddie forever!!!!

God save the Queen fans.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

FREDDIE FOR A DAY BRAZIL 2012 - UM EVENTO DE SUCESSO!!!!

O evento ocorreu na capital de São Paulo. Justamente a 1ª cidade brasileira onde o Queen tocou em Março de1981.
O local escolhido foi o Blackmore Rock Bar, parceiro do site QueenBrazil e de Lady Taylor ( idealizadora e organizadora do projeto) desde 2006.
Na época o evento chamava-se Freddie’s Party que tinha o objetivo de relembrar e homenagear Freddie Mercury na data de seu nascimento ou próxima dela.
Outro evento para homenagear e relembrar Freddie Mercury, o Memorial Night, também ocorria nesta mesma casa.
Havia também o Queen’s Party que ocorria no final do mês de julho para parabenizar e homenagear os membros da banda Queen: Brian May, Roger Taylor e John Deacon.
Os mesmos foram aglutinados neste evento maior o Freddie for a day Brazil,
( evento mundial e oficial), que além de relembrar e homenagear a banda Queen e Freddie Mercury, tem um apelo e função social: O de angariar fundos para as instituições que lutam no combate á AIDS.
Assim, parte do que foi pago na entrada da casa, do que foi vendido entre bigodes, teve um destino beneficente.
O FFAD Brazil ocorreu no dia 14/09/12 na cidade de São Paulo.
A abertura deu-se exatamente às 23:50, quando Lady Taylor subiu ao palco juntamente com Wanderley que representa a casa Blackmore, e membros das bandas que tocariam no evento: Marcelo Facundo pela banda Magic Rockn’, Reinaldo Kramer, artista convidado , membro da banda Queen Tribute Brazil, Banshee pela banda Robotnik e Allan, representando a banda Classical Queen.
Cada uma destas pessoas recebeu o certificado oficial de participação do evento e foi mostrado no telão o vídeo de abertura com agradecimentos e mensagens enviadas por pessoas ligadas ao Queen.

http://www.youtube.com/watch?v=bgwIuH2VLEQ

Esta edição do Freddie For a Day Brazil 2012, teve como estrelas as bandas abaixo e falaremos um pouco de cada uma delas...

A)Magic Rockin'
Seu objetivo é prestar homenagem a banda inglesa QUEEN, tocando suas canções com foco na musicalidade, sem preocupação com os aspectos visuais, e com ênfase na execução dos “lados B” ( músicas não consideradas hits mas que muito emocionam os fãs ).
Após quase dois anos de muitos ensaios, algumas apresentações e mudanças na formação, a banda consolidou-se com uma vocal feminina, o que dá um charme mais que especial ás suas apresentações.. Esta banda se entitula tributo, sem preocupação e figurinos ou imagens que lembre a banda Queen, mas prendem-se a originalidade e a questão de fazer releituras das músicas da banda;

B)"CLASSICAL QUEEN"


O Classical Queen nasceu em setembro de 2004,e logo no final do ano fazia sua estréia nos palcos.
A banda se aprimora a cada show, com cuidadosa produção de figurino, performance de palco, instrumentos e equipamentos, recriando minuciosamente um show ao vivo do QUEEN.
A banda a cada a show fica mais próxima das apresentaçãoes oficiais, pois dedicam-se a detalhes cênicos e musicais do Queen.. Músicas de sucesso da banda , foram tocados juntamente com outros os quais fãs de Queen adoram , como Sevem seas of Rilley, Spread your Wings.

C)ROBOTINIK

A BANDA ROBOTNIK apresenta os grandes sucessos do Classic Rock, realizando um apanhado que engloba desde oss 70 até os 2000. Especialmente para o evento "Freddie for a Day 2012" A BANDA ROBOTNIK apresentará um Set list especial somente com músicas da carreira solo de FREDDIE MERCURY.
Foi maravilhoso poder curtir músicas da carreira solo de Freddie Mercury como Made in Heaven, Mr. Bad Guy,

O evento organizado por Lady Taylor, ou Alba Cássia, uma fã reconhecida de Queen, que viajou por Londres, Felthan, Montreux e tantos outros locais e shows, com o objetivo de divulgar e compartilhar com fãs do mundo inteiro momentos especiais ligados á banda Queen,convidou os fãs a enviarem mensagens, fotos, poemas, videos e outros que expressassem sua admiração, amor e respeito ao Freddie:
Foram enviados muitos vídeos, os quais após editados, resultaram:

http://www.youtube.com/watch?v=5CG0GpyVMFA
http://www.youtube.com/watch?v=4o76jSQgs0o
http://www.youtube.com/watch?v=h4eHcxk4WWw
http://www.youtube.com/watch?v=YvnqJFcIUW4

Os fãs enviaram mensagens , poemas e frases para Freddie, o que resultou em um vídeo muito emocionante.. Um painel:

http://www.youtube.com/watch?v=83p-VncXE24&feature=relmfu

Este ano, foram vendidos cerca de 100 bigodes, o que deixou a festa do dia 14/09, uma festa do bigode.

http://www.youtube.com/watch?v=E9zY7WIWFi8

O evento ainda teve mensagens e videos que conscientizaram as pessoas da importância da prevenção contra a AIDS e a importância deste evento em âmbito mundial.

http://www.youtube.com/watch?v=pbNZspt6CSs&feature=relmfu

O sucesso do evento foi tão grande, que não somente lotou a casa Blackmore, mas por pedidos de fãs, Lady Taylor e Wanderley ( dono da casa Blackmore), cedendo aos desejos dos mesmos, criaram um outro evento para este ano ainda; O Memorial Night for Freddie.. que ocorrerá dia 24/11/12, no mesmo local.
Este próximo evento terá a banda Killer Queen e convidados, vendas de artigos , concursos..e outros.
No evento do dia 14/ 09, Ana Paula, foi a vencedora do concurso melhor vestimenta de Freddie, ganhando além de uma prêmio surpresa, ingressos para o Memorial Night for Freddie.
O Show acabou ( o que foi uma pena..), mas a troca de energia em pleno espírito de paz, harmonia e celebração foram a marca desta noite inesquecível.
Termino este relato na certeza de que nossos objetivos foram atingidos. Conseguimos angariar fundos, conseguimos unir fãs e homenagear nosso ídolo maior: Freddie Mercury...
Esperamos que um dia não seja mais necessário realizar o Freddie For a day pelo mundo, pois isso significará que a AIDS foi vencida.. Quando esse dia chegar, voltaremos a realizar o Freddie's Party, apenas para homenagear, relembrar e eternizar Freddie Mercury.. é para isso que trabalhamos em parceria com o Mercury Phoenix Trust e oramos todos os dias.
Temos certeza que Freddie recebeu todas as energias maravilhosas enviadas á ele.... e sua alma está brilhando ainda mais!!!!
E como disse meu amigo Jim Jenkens.... Freddie conseguiu ser a lenda que ele desejava!!

Queen forever!!!!
Freddie forever!!!!
God save the Queen fans.


















sábado, 25 de agosto de 2012

A "JORNADA BACK TO THE LIGHT" - A CRIAÇÃO DO ÁLBUM SOLO DE BRIAN MAY - parte 4

Os membros sobreviventes do Queen retiraran-se dos olhos do público depois da morte de seu vocalista até 12 de janeiro de 1992 quando voltariam para os meios de comunicação para anunciar o Freddie Mercury Tribute Concert para a consciência AIDS. Enquanto isso, junto com o co-organizadoror do show, Brian ocupou-se com a gravação e trabalhando no seu álbum solo, incluindo o “Love Token”,  faixa que conta com Neil Murray, Cozy Powell e Mike Moran. Falando para a revista Guitar World, comentou sobre a forma de como a música era pesada, "Sim, eu gosto disso. Eu tenho uma saída para o agora, enquanto, por vezes, a banda teve que ser um pouco mais ampla, estilisticamente. Agora eu posso entrar mais no material pesado. E eu gosto dele, devo admitir. Um dos meus “mamma / poppa” músicas. Eu tenho alguns desses. Eu vou ter uma antologia de canções um pouco mama x papa um dia. "Cozy Powell voltou a apresentar Brian com uma faixa para próprio álbum de Powell, este intitulado "Ride To Win". Brian levou para a música e sentiu que, como "Somewhere In Time", esta foi uma faixa em que ele poderia expressar seus sentimentos em letras. Brian refez o caminho, acrescentando suas letras, e criou a “Resurrection”, que ele disse ao”The Orange County Register”, em 1993: "Depois de todos esses anos de procura para este otimismo, eu finalmente encontrei. O fim estava à vista. Eu poderia me visualizar sair e tocar com pessoas reais novamente. Eu estava começando a ter a minha vida em forma, privado de vida inteligente. Há um monte de alegria para mim. Você não pode fingir isso. Você não pode tocar essas coisas a menos que você se senta assim. Foi um longo caminho até que eu efui capaz de dar vazão a esse tipo de coisa. "

E com a revista Rip (1993): "No início, quando eu estava tentando encontrar meu caminho cerca de cinco anos atrás, era tudo um mistério. Tudo o que eu sabia, era que eu estava com dor e não podia ver a minha saída. Até o final , quando eu estava fazendo 'Ressurreição', eu senti como se eu entendesse o que queria dizer todas essas coisas, e houve algum vislumbre de luz que eu estava procurando. E foram todas as metáforas, realmente. A música 'Back to the Light' era eu procurando uma maneira de sair, encontrar otimismo novamente. Em
“Resurrection," Eu eu realmente encontrei isso. " --" “Resurrection, adequadamente, foi a última composição." (The Orange County Register, 1993)- Em 20 de abril de 1992, o Queen e seus artistas  convidados realizaram o Freddie Mercury Tribute Concert. Brian teve a oportunidade de estrear "Love Too Much Will Kill You", como parte do que ele esperava ser para Freddie "o maior tributo da história". Os dias e meses que se seguiram iria encontrá-lo em Allerton Colina terminando seu álbum, enquadrando as músicas que ele passou cinco anos escrevendo e gravando com uma canção de ninar, que foi parte da peça instrumental "The Dark." Para criar a faixa, Brian utilizou material gravado em 1980, durante as sessões Queen de Flash Gordon, em The Town House Studios. "Em 'The Dark', eu queria essa parede assustadora de som saisse e contrastasse com a voz muito pequena -. A criança no berço" (Guitarrista revista, 1992)

Brian também teve a oportunidade de revisitar "Driven By You", em 2004 ( de seu site): "Em minha faixa solo 'Driven By You' a versão original só foi construída em torno de meus próprios tambores programados, mas para a versão do álbum eu perguntei ao maravilhoso, Cozy Powell para tocar bateria. "Curiosamente, o álbum iria manter a versão previamente lançada como single, sem Cozy sobre ele. O Público do Reino Unido iria ouvir a versão Cozy Powell como um lado B para o single do CD de “ Too Much love Will Kill You" e público dos EUA iria recebê-lo como uma faixa bônus para o álbum. "Too Much Love" lado B também apresentaria os fãs com uma versão inicial de
“I’m Scared,” que mais tarde foi regravada por Brian com Neil Murray e Cozy Powell, e remixada para o álbum de Justin Shirley- Smith em 1992. Ao completar "Last Horizont", Brian teve suas duas versões da faixa, um com a batida sincopada e outro no 4-4 do tempo. Brian:"Quando fui para colocar no álbum, eu gostei ambas as versões, depois descobri que um fez uma boa introdução para a outra. Então nós 'emendamos' com a batida que abre a segunda peça. "(BrianMay.com, 2004).

Ao 20 de julho de 1992, depois da dura batalha com o álbum , Brian ao escrever a nota introdutória de seu álbum solo, explica brevemente a natureza da viagem que empreendeu a criação do álbum, dizendo: "O homem que terminar de fazer isso hoje é muito diferente do homem que começou há cinco anos."Brian excursionou para o álbum em todo o mundo, através de '92 e '93, promovendo-o muito e continuando a lidar com o que era, na época, uma vida após o Queen, forjando uma nova identidade como artista solo. Novamente, porém, Brian iria deixar o trabalho a solo de lado para voltar para a banda em 1994 para trabalhar nas gravações deixadas por Freddie e tentar construir um álbum novo do Queen. É justo que ao fazer isso, a banda tirou sua gravação de 1988 "Love Too Much Will Kill You" do cofre e incluiu-a. A música que começou o trabalho com Brian em seu álbum solo agora estava entre faixas que, de certa forma, representam as diferentes facetas Queen, incluindo seus esforços individuais fora da banda, e refletindo o tema da luta que é a vida: uma luta que Brian sabia muito bem, quando ele terminou de volta à luz.
Por Ana Paula


 

 

 

A "JORNADA BACK TO THE LIGHT" - A CRIAÇÃO DO ÁLBUM SOLO DE BRIAN MAY - parte 3

Em novembro de 1990, o álbum Innuendo foi completado e a banda focada em sua promoção. Além disso, a Hollywood Records nos EUA foi a gravadora que assinou com catálogo Queen e futuros lançamentos na América do Norte. A gravadora planejou uma campanha maciça de recriar e re-editar todo o catálogo de volta, bem como lançamentos solo diversos, tais como Freddie Mercury e Montserrat Caballe álbum  “Barcelona”. A banda gravou um vídeo para "Headlong" e entrevistas para a imprensa. Após o Ano Novo Brian diria Q Magazine, em janeiro de 1991 que Freddie e Roger discutiram para continuar a gravar, apesar de ter concluído Innuendo. May se juntou a eles em Montreux naquele mês e o trabalho iria começar para o que seria as gravações finais de Freddie. Fazendo uma pausa na gravação para promover a liberação do Innuendo, Brian e Roger apareceram na rádio Rockline os EUA em fevereiro. Brian foi perguntado ao no ar sobre como ia sei álbum solo e Brian tinha que dizer isto: "Eu ainda estou trabalhando nisso. É a saga do álbum solo de Brian May. É ainda nas cartas, e talvez por isso, eu estou esperando, e por este verão será terminado e eu vou lança-lo. Veja, eu tenho um monte de coisas, mas só preciso coloca-lo no álbum. É uma tarefa difícil, quando se faz um monte de decisões. "

Em maio, Brian voltou para os EUA para uma turnê promocional de ambos: do álbum Innuendo e o material das reedições da Hollywood Records dos álbuns do Queen, visitando estações de rádio e realizando solos de guitarra de improviso. Enquanto ele estava em Los Angeles no verão, Brian foi abordado pela agência de publicidade Ogilvy & Mather que pediu para ele escrever uma música para os seus novos anúncios de Ford do Reino Unido. "Esses caras jogaram alguns slogans para mim e eu pensei, 'Bem, eu posso fazer isso se eu relacioná-lo com minhas próprias experiências e os meus próprios sentimentos." E a frase "Driven By You" imediatamente pulou como uma descrição do maneira que eu vi a luta pelo poder entre duas pessoas em um relacionamento. Eu escrevi uma versão para mim, e uma versão para o comercial. E isso funcionou muito bem. Foi um “bom chute no traseiro” para mim também, porque estas pessoas trabalham de forma rápida e fazer um trabalho de qualidade. "(Guitar World, Jan. 1993)

Brian gravou as diferentes versões, a versão do anúncio de TV, sua versão solo e uma versão curta, principalmente instrumental mais tarde intitulado
“Driven By You Two,” no Mountain Studios entre os esforços contínuos do Queen,  de Freddie em particular para gravar novo material . Agora ao resto do Queen foi dito por Freddie que ele tinha Aids e que ele não sabia quanto tempo ele teria, mas que ele queria gravar o máximo que podia no tempo que lhe restava. Ford do Reino Unido lançou os novos anuncios de “Driven By You” com música de Brian, em julho e a resposta foi positiva e encorajadora para Brian para terminar a música e libera-la para sua liberação adequada em novembro. Mais significativamente, a recepção para "Driven By You" teve um maior efeito sobre o trabalho de Brian no álbum solo inteiramente, como disse a Gold Compact Disc magazine em 1992: "Eu tinha uma idéia aproximada de que o álbum ia ser assim, uma volta sobre esse tempo, mas eu não cheguei até ao trabalho sério até cerca de um ano antes, quando Driven By You aconteceu. "Eu trabalhei na música e no anúncio em paralelo, e o interessante é que a música significava uma coisa para mim, e outra coisa para as pessoas da agência. Fiquei muito estimulado pela forma como as pessoas trabalham publicidade ... Quero dizer, eles são tão rápidos. Eu entreguei a eles uma versão do Driven By You, e foi comercial de televisão já estava no dia seguinte! "

Nesta altura, Brian foi presenteado com a oportunidade de montar sob a sua escolha músicos para tocar  no festival de guitarra Legends em Sevilha, Espanha. Ele aproveitou a chance e entre os artistas foram BB King, Paul Rodgers, Mike Moran, Neil Murray, Steve Vai, Joe Walsh e Cozy Powell. De acordo com Neil Murray, este foi o início da relação de trabalho entre ele (Cozy) e Brian. Neil iria executar as partes de baixo nas gravações de Brian solo. Powell, um bom amigo de May, estava passando por dificuldades de autoria, tendo tido  um acidente de cavalo em 1991, que levou a uma pélvis esmagada. Falando Rip Magazine (1993), ele disse que "O espetáculo me deu um objetivo para ir, fazer.... Houve um período após quando o telefone parou de tocar, porque muita gente não sabia que eu estava disponível ou pensou que eu estava ferido. Você pensa: 'M@#a!, ninguém quer mais ouvir nada de mim. Minha carreira deve ter mais '.
19 de outubro de 1991, Brian e seus músicos se reuniram tocando no festival de Guitars Legends. Entre as peças tocadas foi "Last Horizont", uma das faixas que Brian estava trabalhando para o seu álbum. Depois do festival, Cozy Powell começou a trabalhar em um álbum solo de sua autoria. Uma das faixas iniciais gravadas Powell foi o instrumental "Somewhere In Time". Brian e John Deacon foram convidados para gravar nele. Eles lançaram-a em novembro de 1991. Em 24 de novembro de 1991, Freddie Mercury faleceu em sua casa em Garden Lodge, em Londres. De acordo com Brian, "Cozy entrou com uma faixa de apoio e disse que tocaria alguma coisa nela. Era a noite antes de Freddie ir, mas pela primeira vez eu tinha essa convicção completa que era iminente, eu senti que ele estava indo naquele momento. Eu usei essa faixa e escrevi uma música sobre como eu me sentia naquele momento. "(Rock CD revista, 1992) - Brian queria acrescentar letra de "Somewhere In Time" ( que é a música "Nothin But Blue, só que sem letra) e criou "Nothin But Blue." A guitarra usada Brian em ambas as gravações foi um presente do colega guitarrista Joe Satriani. Em 25 de novembro de 1991, único de Brian para “Driven By You”foi lançado. O lado B foi a faixa dedicada a Philip Sayer, “ Just one life”" Brian tinha igualmente registado uma "Versão Guitarra", substituindo a maior parte dos vocais pelo solo com a red Special. Incluído na versão single 12 a versão do anúncio de TV de“Driven By You”- Um CD promo também foi emitido contendo várias edições para as rádios.
Por Ana paula

 


A "JORNADA BACK TO THE LIGHT" - A CRIAÇÃO DO ÁLBUM SOLO DE BRIAN MAY- parte 2

Infelizmente, em 02 de junho de 1988, pai de Brian, Harold May, falece. A perda promoveu a descida de Brian na depressão. Perseguido pela imprensa por seu envolvimento com Anita, Brian escreveu uma outra canção, "Scandal", que ele trouxe para o Queen que começou a gravar um novo álbum no verão. Tentando colocar seu projeto solo de lado para se concentrar em seus deveres com Queen, Brian escreve a faixa "I Want It All". Sua história tantas vezes contada por trás da música é que era uma frase favorita de Anita, "Eu quero tudo e eu quero agora! "Ele também apresentou ao Queen" Too Much Love Will Kill You ", completando sua contribuição direta para as canções do álbum da banda, que, por sua própria admissão, parecia um pouco menos do que seus lançamentos anteriores. Como ele disse a Guitar World, "Havia apenas algumas semanas vagas durante esse tempo em que eu consegui tocar solos de guitarra. Realmente foi um milagre eu fizer alguma coisa naquele álbum em tudo. " Quase que era apenas o solo instrumental da faixa "Tortura chinesa", que não foi  incluído nas edições de CD do queen, só como faixa bonus.

A banda trabalhou no álbum, do verão para o inverno, gravando no Olímpico e no The Town House Studios, em Londres, e também em seu próprio estudio em Montreux. Ainda assim, no entanto, o desenrolar potencial de seu álbum solo e a pressão pessoal, chamou Brian para continuar "a trabalhar nisso em conjunto” para a banda e não a favor de seu álbum solo. Fevereiro de 1989 Brian contou a revista Record Collector: "A maior parte do tempo eu tenho trabalhado em meu próprio material. O projeto solo é sobre a obtenção de todas as coisas que eu tive na minha cabeça, mas eu descobri que algumas das idéias que eu tinha em mente para o trabalho solo acabaram no álbum Queen. Eu acho que as melhores idéias devem realmente ser concentradas no grupo, porque ainda é o melhor veículo que eu posso encontrar - como o grupo é tão bom! "Para descrever o material é bastante difícil. Eu coloquei as músicas em uma fita de uma forma muito grosseira e pensei, 'Onde estou? "Porque eles são tão variados, mais do que o material, Queen. Eu tenho baladas muito macias e pessoais, e eu tenho coisas que são muito difíciceis, metal puro e pesado. Há estranhas canções acústicas, e Deus sabe mais! Não há uma direção no álbum ainda, e eu acho que isso é uma questão que tenho para resolver. "Isso é possível, nesta fase," Love Too Much Will Kill You ", completada pela banda para o álbum Milagre, ainda é uma forte candidata para a inclusão no trabalho novo. Dominar as faixas para the Miracle, e "I Want It All", em particular, iria "continuar até março do 1989. Depois de concluído, a banda decidiu fazer a ordem das faixas e “Too Much Love Will Kill You" foi deixada de fora do álbum completo.

O declínio da saúde de Freddie impedida devido à  AIDS... mas filmar os vídeos para o “The Miracle” aliviou  por alguns dias. No comentário do DVD para o 'Breakthru' video, Brian fala de ser capaz de fugir do tumulto da sua vida pessoal enquanto estava gravando os vídeos Queen no país. Na primavera de 1989, de acordo com Brian, seu casamento com Chrissy foi mais por este ponto, o que só acrescentou mais peso ao esmagamento drepressivo que ele estava passando. Os dois acabariam por divorciar-se naquele ano. Falando à revista Guitar World, diz, "Eu estava passando por esse momento e eu percebi que não poderia viver com minha esposa, o que significava que eu não poderia estar com meus filhos. E também - isto pode parecer trivial em comparação - mas o grupo não havia decidido fazer turnê naquela ocasião. Então de repente, estava um grande buraco na minha vida profissional também. Eu não poderia ter nenhuma tomada no palco. E eu acho que do balanço da minha vida só tinha uma, estava completamente destruído. Eu não sabia quem mais eu era. "”The Miracle” foi lançado no Reino Unido em 22 de maio de 1989 e com a falta de uma turnê para onde se  apoiar, Brian foi confrontado-se com uma vida que ao seu redor estava caindo aos pedaços. A morte de seu pai, o fim de seu casamento e a  doença de Freddie estava contribuindo para uma espiral descendente. No entanto, havia a idéia de um álbum solo.  E lá estava em vários estados de conclusão,  uma sequencia já colocada.  Brian sentiu então que poderia "ser uma forma de terapia” se mantendo e trabalhando nele.
 
Em 19 de setembro de 1989, Philip Sayer, o ator e amigo de Anita Dobson, morre de câncer com 42 anos. Segundo a revista For The muscian Praticar (1993), Brian Explica que este acontecimento serviu como  inspiração para compor "Just One Life"...  Diz ele- Essa música para mim foi a oportunidade de ir a um concerto memorial dada ao amigo de Anita. Este foi um cara que eu nunca conheci. No fim do concerto, eles cantaram canções e contaram histórias. No fim de tudo eu senti algo sobre esse cara através da influência que ele teve em seus amigos...  Eu estava tentando descobrir o que é uma vida. Eu estava olhando para essa vida, a vida de Freddie, a vida de meu pai. Acabo de perder meu pai. Eu estava tentando juntar todos os fios, tentando chegar mais perto do que se tratava. "--"Houve um tributo a ele no  Teatro Aldwych depois que ele morreu, foi uma experiência muito comovente... Entre o público daquela noite Brian May estava com sua parceira Anita Dobson. Anita era um grande amiga de Philip Sayer. Brian May ficou tão comovido com a noite que, apesar de não ter conhecido Philip Sayer, ele escreveu uma canção dedicada a ele.

Por Ana Paula


A "JORNADA BACK TO THE LIGHT" - A CRIAÇÃO DO ÁLBUM SOLO DE BRIAN MAY


Parte 1= da série -artigos de fãs) – Por Patrick Lemieux (Queenonline.com – 7 /08/ 2012)

Nesta tragetória composta de 4 partes se conhece um pouco mais das dificuldades vividas por Brian, como ele chegou ao seu 1º álbun solo completo, bem como esse período influenciou nas composições dos álbuns “The Miracle e “ Innuendo” do Queen. Patrick Lemieux é um artista canadense e escritor.

PARTE 1 - O final de 1987 foi um período tumultuado para o guitarrista Brian May do Queen. A
banda estava em uma ruptura, pausa tão necessária após o lançamento do seu álbum de 1986 A Kind Of Magic e uma bem sucedida turnê européia. Os quatro homens estavam explorando trabalhos solo fora do Queen e durante o inverno, Brian estava trabalhando no álbum de estréia da atriz Anita Dobson. Essa relação entre os dois complicaria a vida de Brian e seu casamento com sua esposa Chrissy. É neste momento que as sementes de um começo de um álbum solo
eram germinados. Enquanto morava em Los Angeles, Brian conheceu um casal, Elizabeth Lamers compositora e cantora e compositor Frank Musker. Juntos, eles escreveram - "Too Much Love Will Kill You". Brian tentou explicar: ele estava em um lugar escuro, mentalmente e emocionalmente, "Aconteceu quando eu estava na América, tentando fugir da vida, e a escrevi- a com um casal de amigos a quem eu conheci, que me ajudaram a me tirar do meu sistema. Era como uma coisa catártica. Ele mais tarde diria ao Orange County Register -1993: "foi a primeira música escrita para o álbum, que datam de 6 anos."
Brian trabalhou muito em "Too Much love...", como foi mostrado por um conjunto de gravações conhecidas pelos fãs como The Tape Boy Bell. Esta k-7 teria sido dado a um funcionário do hotel para Elizabeth Lamers que mudou de mãos e agora pertencem legitimamente a um colecionador. Esta história foi exclarecida pela própria Elizabeth Lamers: - Foi um boato que apareceu na internet anos atrás e agora é apenas uma lenda. Hmm. Eu nunca dei um fita k-7 de qualquer versão da música para ninguém do hotel.
"Tenho certeza de que tinha cópias... mas nunca houve qualquer entrega de material inédito por mim, Frank ou Brian.. O dono da fita confirma que um par de demos de Brian, intitulado Blues sono "e" Moody Teclados, está presente entre as gravações.
1988 não traria muito alívio na vida de Brian May, embora ele se refugiou nas gravações e composições e 1993, disse: "Se alguma vez eu tive uma idéia que não se encaixava com o Queen, sempre arrumava papel em algum lugar. Mas não era (idéia) até há uns 5 anos e quando eu decidi fazê-lo seria uma boa coisa para usar algumas das idéias para um álbum solo. Eu realmente começei tudo isso como uma forma de terapia. Eu estava muito deprimido na época, em um ponto, eu estava realmente muito suicida. No momento foi o fato (em particular) de que
meus filhos me impediram de passar de carro por cima de qualquer ponte"(revista Guitar World).--Cerca de início de 1988, assim diz a história, Brian foi convidado por Lonnie Donegan para escrever-lhe uma canção.
Brian escreveu“Let Your Heart Rule Your Head,”(Deixe seu coração controlar sua cabeça). Mesmo tendo uma versão gravada da canção com ele, Donegan, não colocou em seu álbum.
Assim Brian tinha agora outra canção para adicionar ao seu catálogo inédito.
Em março de 1988, Brian reservou tempo, tanto no Sarm e no Town House Studios, onde trabalhou a gravação de "Let Your Heart Rule Your Head," e um cover do The Small Faces,
" Rollin Over ". Era em torno deste tempo que pode decidir montar um estúdio de gravação em sua própria casa em Allerton Hill, e assim explicou a revista Disco de Ouro Compact em 1992: "Eu sempre resisti à idéia de ter um estúdio lá porque eu sempre achei que você deve ser capaz de ficar longe de seu trabalho ... mas nunca funcionou de qualquer maneira. A razão pela qual eu fiz
o meu próprio álbum em casa foi por causa da pressão que você sente quando trabalha em um dos principais estúdios de gravação. "Muitas vezes é um caso de...” aqui estou eu, de pé no estúdio, apenas brincando e está custando mais de R $ 1.000 por dia." Isso parece tão inútil, então eu pensei: 'Bem, por que não fazer o álbum em casa? "E eu já queria voltar para o
básico."
Uma canção que Brian começou em março de 1988 foi o "Back To The Light". Conversando com a revista Rip Brian disse: "estava no palco em 1993 - me lembro claramente de colocar as 1as palavras de 'Back to the light" para fora em uma fita em um estúdio improvisado. Eu fiz isso porque tinha que fazer algo para me manter indo. "Longe de ser, a canção nasceu na tentativa de superação de adversidades pessoais. " Back To The Light "foi um choro, um grito de esperança de um homem que queria um dia chegar aí. Na época, Brian não tinha idéia e nenhuma visão se ele alcançaria seu objetivo. Também refletindo o clima sombrio de sua vida foram as faixas “I’m
Scared” (Estou com medo) e Last Horizont (o último horizonte).
Iniciadas no estúdio Allerton Hill em março. " Last Horizon" foi experimentado em duas abordagens diferentes, o que Brian explicou aos fãs em seu site em 2004: "Eu tentei a melodia de duas maneiras diferentes, uma com uma batida suave sincopado, e outro com uma reta 4 por4 lento rock beat.
" – Já “I’m Scared", Brian disse à revista Guitar World em 1993, que remonta um longo caminho. Eu continuei fazendo versões diferentes mas como eu continuei descobrindo que eu estava com medo de mais coisas e muito mais, eu percebi que a maioria de nós apenas mantên- se dentro. Eu acho que é bom colocar tudo isso para fora às vezes. Fazer um pouco de gritos. "
Inverno em 1989, o Queen voltou sua atenção ao trabalho de estúdio para gravar outro álbum novo. Até agora, com a saúde de Freddie Mercury decaindo, o resto da banda sabia que ele estava doente, mas eu não sabia os detalhes. O impulso para continuar trabalhando trouxe de volta a banda ao Mountain Studios em Montreux em novembro do 1989. Roger Taylor e Brian May descreveram a abordagem utilizada, isso é, a banda iria trabalhar por três meses, em seguida, sair duas semanas fora, em seguida, retornar por três meses e repetir o processo. Foi em
Mountain Studios que Brian gravou material para "Just One Life" e duas músicas novas de seu álbum solo. --"Eu estava no estúdio por um par de dias para obter algumas coisas fora da minha
rotina. Eu pensei que talvez eu ficasse com um álbum solo, talvez com um álbum Queen, eu não sabia e eu vim com "Headlong e I can’t live whith you” (para o Innuendo) e eles gostaram.
"'Headlong” veio de mim, no nosso estúdio em Montreux, um estúdio de gravação em casa, para nós isso é muito encantador para elaboração. A idéia surgiu em um par de dias. No começo eu pensei como uma canção para o meu álbum solo, mas, como sempre, a banda é o melhor veículo. Assim que ouvi Freddie cantar, eu disse: 'É isso aí!' Às vezes é doloroso dar o bebê, mas o que você ganha é muito mais. E terminamos uma música Queen. "
Brian teria contribuido com mais 3 canções para o álbum conhecidas como "The Hitman", "The Show Must Go On" e " Lost oportunity".
A última faixa seria o lado B de I 'm Going Slightly Mad ", mas a entrada de Brian no álbum, em comparação com o “The Miracle”, era um retorno à forma.
De fato em 1990 Brian estaria mais em aparições em versões de outros artistas, tanto quanto trabalhava com o Queen. Ele gravou trabalho de guitarra para caridade Rock Arménia, e fez música para uma produção teatral de Macbeth, de Shakespeare, que estreou em novembro. Em 18 de fevereiro de 1990 os 4 membros do Queen foram receber um prêmio, mas foi Brian que falou em nome da banda Instituto Fonográfico Britânico na cerimônia, onde ao Queen recebeu o prêmio Outstanding
Contribution to Music por sua contribuição a música britânica.
Enviado por Ana Paula

Queen & Me, por Monalysa Vieria



Após vários dias, cá eu escrevendo para o tão aclamado blog da Lady Taylor. Em princípio, eu não tinha (ainda não tenho, rs) em mente o que escrever. Então deixarei as ideias tomarem
conta de mim. Como ponto de partida, citarei como a maior banda de todos os tempos entrou em minha vida.
Eu nasci em 03 de Junho de 1981, em Fortaleza-Ceará. Entretanto em 1983 meu pai foi destacado para trabalhar no interior do Ceará, na cidade de Russas. Nessa época comprávamos muitos vinis.
Recordo claramente do vinil Queen Live (edição exclusiva e nacional, retirado do LIVE KILLERS). E veio o Rock In Rio, em 1985. Minha mãe colecionou todos os copos promocionais da Pepsi Cola. Recordo bastante desse evento, pois assistimos pela TVo. E penso comigo: “nessa hora a Lady Taylor e tantos amigos estavam lá e ao vivo?” (suspiros). Assim começou a minha jornada com o Queen. Passado um longo ínterim, para ser exata em 2006, volto a curtir Queen como antes. Porém vale ressaltar que tive vários marcos, como a morte de Freddie,
o lançamento do álbum Made In Heaven – enfim, tudo isso tenho nítida lembrança. No ano que mencionei, 2006, fui convidada para participar de uma comunidade, do Orkut, chamada Queen fãs de Fortaleza. Época bacana e conheci muitas pessoas especiais, todavia não éramos tão organizados nos encontros presenciais.
O afloramento, despertar completo, veio em agosto do ano passado, em decorrência do RIR 2011, e da propaganda do carro Fox (cuja música de tema era Bohemian Rhapsody). Claro que como boa geminiana, fiquei louca e comecei a correr contra o tempo. Creio que em 1 ano, consegui constituir uma boa coleção (mais fotos ver no meu facebook: https://www.facebook.com/media/set/?), como tb, ler tudo o que é possível da banda.
No meu próximo texto, tentarei falar sobre curiosidades, mitos e estórias que as pessoas falam sobre essa banda e seus respectivos integrantes.
Um abraço e sucesso para todos!!!

quinta-feira, 23 de agosto de 2012


23:00 até 05:40
Av. dos Maracatins, 1317 -Moema - SP - tel:5041-9340
O ÙNCO evento OFICIAL reconhecido pelo Mercury Phoenix Trust, Mannager do Queen e pelo mundo. Vamos homenagear Freddie Mercury e arrecada $$ para as instituições parceiras na luta contra AIDS.. Teremos as participações das bandas:
1) Robotnik ( que cantará músicas da carreira solo de Freddie Mercury.)
20 Teremos a participação da banda tributo: Magic Rockin's que cantará com vocalista feminina, um diferencial em tudo do que vimos sobre Queen.
3) Teremos alguns artistas de outras bandas covers como Ozzy, Guns, etc.. Falando e cantando seus sucessos e claro, Queen..
4) E pra finalizar : teremos a banda cover mais que reconhecida: Classical Queen.. uma banda que dispensa apresentações.. mas é masi que reconhecida. como maravilhosa!!!
Ainda teremos artigos pra venda, concursos e promoções.. NÃO PERCAM A OPORTUNIDADE DE FAZER PARTE DA HISTÓRIA DE FREDDIE MERCURY, pois o evento será filmado e enviado ao Freddie for a day ( oficial)..
Quer homenagear nosso ídolo maior?
Quer marcar seu nome em um painel, em um vídeo? quer deixar sua marca registrada no evento? Quer ajudar comprando artigos por cerca de 5 reais?
Simples, acessem o site:
ww.QueenBrazil.com
..e vejam como participar desta festa ou evento oficial do Queen no Brasil. O preço do ingresso é menos que 30 reais.. com direito a cota de $$ para o Mercury Phoenix Trust..
.... barato?
não justo.. !!!!
....porque ninguém recebe nada pelo que faz.. porque fazemos pelo Freddie!!.. pela causa da luta contra a Aids e pelo Queen..
Evento feito por fãs.. para todos os fãs!!!

P.S. Mesmo a foto estando disponível em vários meios de comunicação e de busca.. muitos destes sem nome ou autoria comprovada legalmente, ela foi questionada.. Então.. queridos fãs.. O DONO da foto é R.M.. ok?! Conforme escrito por ele... Agora a esencia do evento é de todos os fãs..

Queen lança o livro Queen: The Complete Illustrated Lyrics


O Queen lançará um livro ilustrado com todas as suas letras. Intitulado Queen: The Complete Illustrated Lyrics, o livro vem com todas as letras das músicas do Queen
acompanhadas por centenas de imagens. Acompanhando cada uma das músicas, letras
escritas à mão e fotos inéditas ao vivo e em estúdio.
O livro, teve o design feito por Richard Gray, diretor de criação da banda há muitos anos, é um testemunho a toda pompa, expressão e profundidade que o Queen personifica.
Queen: The Complete Illustrated Lyrics já se encontra a venda na América do Norte e será lançado na Europa e no Reino Unido no dia 1 de junho. Ele já pode ser adquirido no site da Amazon e no site da Livraria Saraiva. Não há informações sobre seu lançamento nos outros continentes.
Maiores detalhes e informações: No site da Amazon, ou no blog de nosso parceiro: